Eletro Life

Forum de Música Eletrônica, Mixagens, Produtores, Sets, Atualidades, Dj´s, e Afins.
 
InícioInício  PortalPortal  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 História da Música Eletrônica 3º Parte

Ir em baixo 
AutorMensagem
Eletro Life
Admin
avatar

Mensagens : 63
Data de inscrição : 05/01/2008
Idade : 40
Localização : Curitiba - PR

MensagemAssunto: História da Música Eletrônica 3º Parte   Dom Ago 31, 2008 7:54 pm

3º Parte

Adoção pela música popular

Apesar da música eletrônica ter começado nas ramificações da composição clássica, após alguns anos ela foi adotada pela cultura popular. Um dos primeiro exemplos é o tema para televisão do seriado Doctor Who, em 1963.

No final da década de 1960 Wendy Carlos popularizou a música de sintetizador com os dois notáveis álbuns, Switched-On Bach e The Well-Tempered Synthesizer, que reproduziram peças clássicas da Barroco usando o Moog.
O equipamento gerava somente um nota por vez, então para gerar a composição Carlos teve que sobrepor as gravações em um amplo trabalho de estúdio. As primeiras máquinas também eram bastante instáveis, e perdiam a afinação com facilidade. Apesar disso, muitos músicos como Keith Emerson do Emerson Lake and Palmer começaram a usar os equipamentos, inclusive em turnê. O theremin, que é extremamente difícil de ser executado, foi também usado na música popular. O theremin elétrico foi usado em "Good Vibrations" do The Beach Boys, o mellotron foi usado em "Strawberry Fields Forever" do The Beatles e o pedal de volume foi usado em "Yes It Is".

Assim que a tecnologia evoluiu e os sintetizadores tornaram-se mais baratos, foram sendo adotados por várias bandas de rock[9], tais como The Silver Apples e Pink Floyd, usando os equipamentos como substitutos ao órgão.

Krautrock e jazz fusion

Na década de 1970 o estilo eletrônico foi revolucionado pela banda alemã Kraftwerk, que usou a eletrônica e robótica para simbolizar a alienação então atual do mundo em relação a tecnologia. Outras bandas contemporâneas e contemporâneas que também incorporaram o som eletrônico à música popular e principalmente ao rock incluem Tangerine Dream, Can, Neu! e Popol Vuh. Tal movimento acabou sendo pejorativamente chamado pela imprensa inglesa da época como krautrock (uma referência ao apelido sauerkraut dos alemães, que significa chucrute, um prato tradicional daquele país), mas acabou sendo aceito pelo tempo devido à grande influência de tais bandas.

Alguns pianistas de jazz como Herbie Hancock, Chick Corea, Joe Zawinul (Weather Report) e Jan Hammer (Mahavishnu Orchestra) começaram a usar os sintetizadores em gravações de jazz fusion entre 1972 e 1974. As gravações I Sing the Body Electric de Weather Report e Crossings de Herbie Hancock usaram sintetizadores para efeitos de som em contraste de somente um substituto ao piano.

A composição para Forbidden Planet, por Louis and Bebe Barron, foi completamente composta usando o theremin em 1956. Assim que os sons eletrônicos tornaram-se mais populares nas composições, outros filmes de ficção científica como Blade Runner e Alien passaram a depender no efeito de ambiente formado por tais instrumentos.

Década de 1980 a 2000: a música eletrônica para o grande público

Conectores MIDI em um aparelho eletrônico

No final da década de 1970 e início da década de 1980 houve grande interesse na inovação em instrumentos de música eletrônica, amplamente pela substituição dos sintetizadores analógicos por versões digitais, além dos primeiros samplers. Na época os samplers eram, tal qual os primeiros sintetizadores, espaçosos e caros, mas em meados da década de 1980 foram desenvolvidos para tornarem-se mais disponíveis aos músicos.

Similarmente aos samplers, a música eletrônica foi amplamente difundida a partir da década de 1980 através da popularização dos computadores pessoais. A partir de então era possível emular as funcionalidades de instrumentos musicais ou de sintetizadores através da criação, manipulação e apresentação virtual de som. Percebeu-se que diferentes equipamentos não conseguiam comunicar-se entre si devido à diferenças em suas tecnologias. Para solucionar o problema foi criado o MIDI, um protocolo de comunicação destinado a comunicação, controle e sincronização de informações de aúdio entre dispositivos como teclados, sintetizadores e processadores de som. Concebido em 1980, proposto para padronização em 1981 e introduzido de fato em agosto de 1983 (versão 1.0), o MIDI tornou-se um dos padrões mais notáveis da indústria da informática e atualmente é aceito na maioria dos equipamentos de aúdio e instrumentos musicais eletrônicos. O advento dessa tecnologia permitiu que um simples comando ativasse qualquer dispositivo do estúdio remotamente e em sincronia, respondendo de acordo com as condições predeterminadas pelo compositor.

Electro e música industrial

Os novos tipos de sons eletrônicos contribuíram para a formação da música industrial, começada por grupos como Throbbing Gristle em 1975, Wavestar e Cabaret Voltaire. Artistas como Nine Inch Nails em 1989, KMFDM e Severed Heads usaram as inovações da música concreta e aplicaram à música dance e rock. Durante esse tempo, artistas de dub como Tackhead gravaram composições com modelos da música industrial que pavimentaram o interesse a bandas como Meat Beat Manifesto e produtores de downtempo e trip hop como Kruder & Dorfmeister. Destaque especial para o surgimento do Synth Pop (que é a música Pop tocada com o predomínio de sintetizadores) nessa época, que revelou Mega bandas de reconhecimento mundial e influência enorme dentro da música eletrônica como Depeche Mode, New Order, Information Society, A-Ha e logo depois, Pet Shop Boys e Erasure.

Ainda durante o começo da década de 1980 desenvolveu-se em Detroit o electro, uma forma de hip hop misturada com o timbre dos sintetizadores analógicos (usando várias referências de Kraftwerk), baseado amplamente nas baterias eletrônicas como o Roland TR-808. Ainda que seja mais associado com o hip hop e usado no breakdance da época, o electro é considerado uma forma de música eletrônica. O estilo foi resgatado nos anos 2000 com o electroclash mas decaiu pela grande influência de novos estilos de música eletrônica tais como o house.

Música eletrônica dançante

Cultura da discoteca, uma das precursoras da música eletrônica dançante

O estilo passou então de uma mera ferramenta para os músicos diversificarem e desenvolverem novos sons e timbres musicais apoiando-se em outros estilos musicais para ganhar uma cena própria. Com o sucesso da música disco, que atingiu seu auge entre 1977 e 1979 em parte devido ao filme de 1977 "Saturday Night Fever", a década de 1980 e décadas seguintes na música eletrônica foram marcadas pelo surgimento da música eletrônica dançante, levando ao desenvolvimento de novas ramificações como o techno, o house e o trance. A música eletrônica torna-se a partir de então, além de um estilo musical, um estilo de vida marcado pelas raves (eventos sociais de elevação de consciência baseados em música eletrônica) e pelos DJs (músicos que utilizam instrumentos musicais eletrônicos para executar composições).

O desenvolvimento do techno em Detroit e house music em Chicago na década de 1980, além do acid house no Reino Unido no início da década de 1990 aceleraram o desenvolvimento e a aceitação da música eletrônica na indústria da música, introduzindo a música eletrônica dançante às casas noturnas. A composição eletrônica pode seriar ritmos mais rápidos e precisos que os criados pela percussão tradicional, além de oferecer a possibilidade de misturas e adição de outros elementos como instrumentos musicais tradicionais e vocais. O estilo desenvolveu-se de tamanha maneira a tornar-se comercialmente acessível que mesmo artistas pop chegaram a compor usando o estilo, como o álbum Ray of Light da cantora estado-unidense Madonna. Destaque para os álbuns Music for the Masses de Depeche Mode e Power, Corruption and Lies de New Order, que se tornaram álbuns chaves no desenvolvimento da música eletrônica em geral.

Raves

Sensation White 2008


Um elemento importante para o desenvolvimento da música eletrônica dançante foi o desenvolvimento das raves. Tais festas de música eletrônica começaram como uma reação às tendências da música popular, a cultura de casas noturnas e o rádio comercial. Seu objetivo primordial era a interação entre pessoas e elevação da consciência (uma fuga da realidade) através de diversas formas de arte. A música eletrônica teve papel fundamental em tais festas na medida que proporciona através das batidas repetitivas e progressivas um efeito hipnótico nos participantes, potencializado pela utilização de entorpecentes. A partir do desenvolvimento do estilo eletrônico na década de 1980 foram promovidos eventos em regiões rurais destinados a reunião de pessoas, dança e utilização de ecstasy. De forma análoga, o movimento hippie da década de 1960 pregava a reunião das pessoas e a utilização de drogas (especialmente o LSD) como forma de elevação de consciência. (Relembrando, que a base de tudo, não se destina ao uso de entorpecentes, e sim uma nova Cultura Músical). Mesmo com a reação negativa da mídia em relação a tal cultura o estilo foi se desenvolvendo, resultando em um estilo de vida para os participantes. Outros gêneros musicais presentes em raves incluem o drum and bass e a música ambiente. A partir do final da década de 1990 o termo caiu em desuso pelos seus participantes na Europa devido à massificação e desvirtualização do uso.
"Não generalizando aos que participam da cultura rave, muitos ainda vão puramente pela música eletrónica"

Acid e drum and bass


O acid house foi um estilo derivado da house music levado para o Reino Unido no final da década de 1980 para tornar-se parte integrante da cultura local de raves. Foi amplamente dependente do sintetizador e sequenciador Roland TB-303, o que tornava seu som bastante característico. O acid foi uma das maiores influências para a criação do drum and bass (originalmente conhecido como jungle até por volta de 1995), um estilo de música eletrônica dançante caracterizado pela batida rápida e pesada ("seca") da bateria, com a presença marcante do baixo. Um dos maiores divulgadores do estilo foi o DJ britânico Goldie. Outro DJ relevante ao drum and bass é o brasileiro Marky, um ícone da música eletrônica no país. Sendo considerado um renovador do estilo no final da década de 1990, Marky também é reconhecido no Reino Unido, terra natal do jungle.

Trance

Outra vertente da música eletrônica dançante é o trance. Apesar de suas origens datarem desde a década de 1970 com artistas como Klaus Schulze, foi a partir de artistas de acid house que acabou ganhando uma cena própria, com a cena techno da Alemanha no início da década de 1990; Frankfurt é geralmente referenciada como o berço do estilo. No mesmo período desenvolvia-se em Goa, Índia, outro movimento da cena eletrônica baseado no EBM, o Goa trance, influenciado pela cultura da Índia e pela música psicadélica da década de 1960. O gênero foi migrado para a Europa em Londres, desenvolvendo-se de forma a ramificar-se no que atualmente chama-se trance psicodélico. A partir da década de 1990, o desenvolvimento para um trance melódico e comercial possui como expoentes compositores como Paul Oakenfold e Paul van Dyk. Tais artistas foram tornando-se cada vez mais aceitos comercialmente, confundindo a música eletrônica com a música pop.

Sub-gêneros





Crítica

Validade do movimento musical

Há discórdia entre a validade da música eletrônica. Alguns músicos consideram a arte da música apenas aquela que possa trazer sentimentos de uma forma não sistemática através de instrumentos musicais manipulados fisicamente. Para eles, o processo de manipulação de faixas de música anteriores (envolvendo elementos como amostras de som e mixagem) não constitui um processo válido de criação de música, somente de cópia. Tais músicos geralmente concordam quanto a validade de artistas de música eletrônica associada à música erudita, de artistas como Karlheinz Stockhausen e Wendy Carlos; apesar de utilizarem instrumentos eletrônicos, seu processo de composição era manual em sua maioria. Entretanto, para obras como Switched-On Bach, Wendy Carlos teve que sobrepor gravações de sintetizador por limitações técnicas do equipamento, em um trabalho claro de manipulação de faixa.

Outras correntes afirmam que justamente o fato de alterar o estado da mente através da estimulação não somente dos ouvidos, mas também das batidas do coração e da respiração, tornam a música eletrônica uma forma única de criação e apreciação da música. Para eles, o processo de criação musical também envolve a manipulação de som, e o produto final da iteração entre elementos já existentes não constitui uma cópia, mas sim uma composição nova, diferente.

De fato, muitos estilos recentes de música eletrônica dançante (como o trance psicodélico) possuem como base a criação de um ambiente no qual o ouvinte entre em estado de transe, usando como base a alteração do estado do corpo através das batidas sequenciais. Para isso são envolvidos aspectos adicionais à música, como apresentações artísticas como pirofagia e circo e, para alguns, o uso de drogas. Nesse caso, a música (no caso, eletrônica) é somente um apoio da experiência do ouvinte, e não o elementos principal.

Significado de música eletrônica

Por definição, música eletrônica é toda música criada através do uso de equipamentos e instrumentos electrónicos. Entretando, a partir da grande popularização da música eletrônica dançante a partir da década de 1980, esta passou a ser considerada para a mela e o público geral como sendo música eletrônica.

Referências

* Vladimir Bogdanov, Chris Woodstra, Stephen Thomas Erlewine, John Bush. All Music Guide to Electronica: The Definitive Guide to Electronic Music. Backbeat Books, 2001.
* Ben Kettlewell. Electronic Music Pioneers. ArtistPro.com, 2001.
* Iara Lee, Peter Shapiro, Simon Reynolds. Modulations: A History of Electronic Music: Throbbing Words on Sound. Distributed Art Publishers, 2000.
* Mark Prendergast. The Ambient Century: From Mahler to Trance: The Evolution of Sound in the Electronic Age. Bloomsbury, 2001.
* Simon Reynolds. Energy Flash: a Journey Through Rave Music and Dance Culture. , 1998.
o Mesmo livro anterior lançado nos Estados Unidos como Simon Reynolds. Generation Ecstasy: Into the World of Techno and Rave Culture. Routledge, 1999.
* John Schaefer. New Sounds: A Listener's Guide to New Music. HarperCollins, 1987.
* Dan Sicko. Techno Rebels: The Renegades of Electronic Funk. Billboard Books, 1999.
* MASSIN, Jean; MASSIN, Brigitte. História da Música Ocidental. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997. 1255 p.
* Herbert Russcol. The Liberation of Sound: An Introduction to Electronic Music. Englewood Cliffs, Nova Jérsei: Prentice-Hall, 1972. 315 p.
* Reynold Weidenaar. Magic Music from the Telharmonium: The Story of the First Music Synthesizer. Metuchen, Nova Jérsei: Scarecrow Press, 1995.

"O Texto sobre "a História da Música Eletrônica" acabou aqui; mas isso não tem FIM.
"Music For Ever" lol!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.eletroliferadioweb.blogspot.com
 
História da Música Eletrônica 3º Parte
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Eletrônica para leigos
» Baixistas que tocam Lounge, House, e música eletrônica em geral
» Eletrônica Yashi - Teodoro Sampaio
» Alguém aqui mexe com equipamento de DJ? Música eletrônica?
» História e ritmos da Música Baiana IV - Samba Reggae

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Eletro Life :: Techno-
Ir para: